Histórico

O Departamento de Política Científica e Tecnológica é resultado de um trabalho de pesquisa coletiva que se originou bem antes de sua criação. De fato, no início dos anos 80, com a vinda do prof. Amílcar Herrera à Unicamp para coordenar o Instituto de Geociências, iniciaram-se sob sua liderança alguns estudos sobre questões relativas à C&T. O grupo foi ganhando adesões e conseguindo financiamentos, de modo que o então Núcleo de Política Científica e Tecnológica, criado em 1983, já contava com uma dezena de pesquisadores e financiamentos de diversas fontes, inclusive de organismos internacionais como OEA, IDRC, entre outros. Com a consolidação do grupo de pesquisa e a qualificação acadêmica de seus membros, foi criado, em 1985 o DPCT que conta hoje, com um longo acervo de experiências em pesquisa, docência e difusão de conhecimentos ligados à área de (ciências ou estudos) da inovação.

O seu programa de Pós-Graduação é composto pelo mestrado, que teve início em 1988 e do doutorado em 1995, e tem como objetivo capacitar profissionais de áreas de atuação diversas para desempenhar atividades de pesquisa, elaboração, gestão e avaliação de políticas no campo do desenvolvimento científico e tecnológico e da inovação.

A evolução do conhecimento em Ciência e Tecnologia e a geração da inovação são processos sociais e, como tais, condicionados por fenômenos de natureza política, econômica e cultural. O Programa dedica-se à análise do processo de geração e difusão da inovação, à avaliação de seus impactos, e à concepção de estratégias e mecanismos orientados ao desenvolvimento científico e tecnológico e à inovação.

Resultado do esforço dos membros do DPCT e da contribuição de especialistas nacionais e internacionais, o programa de pós-graduação segue as diretrizes básicas de contribuir para ampliar e consolidar o conhecimento relativo à área de PCT, dar destaque às questões latino-americanas, e buscar permanentemente uma abordagem multidisciplinar.